Artigo

SteamPunk ~ Corsets

Publicado em - capa e Moda
8 maio 2010 21 Comentários

Também conhecido no Brasil como Espartilho, o corset é praticamente a peça-chave de quase todo visual feminino (e às vezes até mesmo masculino) da temática Steampunk, por ser inspirada na moda durante o Período Regência e a Era Vitoriana. Porém, a história do espartilho começa muito antes do fervor das máquinas à vapor em Londres.

Em 2000 a.C, os habitantes da ilha de Creta já descreviam uma deusa-cobra que vestia uma roupa apertada, que dava suporte ao busto e tinha anéis de couro que acentuavam a cintura. Mas os registros só começam mesmo a partir do século XIII, com o uso de armações e amarras atados à veste para ajudar a compor uma silhueta mais esguia. No século XVI, o espartilho tomou mais a forma a qual conhecemos atualmente. Um colete usado sob os vestidos que terminava na linha da cintura, porém sem a intenção de afiná-la. A função desses corsets era dar uma aparência rígida ao corpo da mulher, endireitando sua postura, mas achatando o busto, fazendo com que empinasse um pouco e aparecesse apenas delicadamente sobre o corset. Não suficiente, uma fina placa de madeira era inserida na frente, através de um pequeno espaço na peça, ajudando a manter o corpo e a veste no lugar. A completa silhueta se dava com o resto do vestido. Naquela época, eles eram corpulentos e volumosos, não apenas na saia, mas também nas mangas e no pescoço, feitos a partir de tecidos pesados e grossos, até mesmo peles de animais.

Século XVI e Século XVI placa de madeira

Desde essa época até a Era Vitoriana, o espartilho sofreu poucas alterações. Fisicamente ele era mais confortável, não restringindo tanto a respiração e servindo mais como um suporte para o busto, tanto que, durante o século XVIII, muitas mulheres trabalhavam com eles e usavam uma peça mais curta, conhecida como “short stay” que muito se assemelha aos sutiãs de hoje em dia. Houve, durante os meados de 1780 até mesmo a volta da valorização das curvas naturais.

Short Stays

Foi apenas durante o período Regência, na fase de transição para o que seria o Vitoriano (Nos anos 1820) que o corset voltou com tudo, ainda com mais funções que seus predecessores. A silhueta ereta e rígida, assim como o contraste do busto com a cintura fina passaram a ser o novo modelo ideal feminino. As saias voltaram a ser encorpadas como no século XVI, fazendo o corpo parecer uma ampulheta. A partir daí, o uso do espartilho tomou proporções ainda maiores, com armações de aço e curvas ainda mais acentuadas (a cintura bem fina e o quadril largo), além do uso também para crianças, para corrigir a postura desde jovem.

Uma vez que que o corset voltou à moda, não saiu mais. Se extendeu por toda a longa era Vitoriana, as saias fartas viraram anquinhas, o modelo bufante dos vestidos deu espaço para os mais elegantes e esguios da Era Edwardiana e ele ainda estava lá. Com a cintura mais baixa, mas ainda assim mantendo a postura e as curvas femininas.

Com mais uma virada de século, dessa vez para o XX, o corset sofreu uma mudança drástica, não por conta da moda, mas sim por causa da guerra. Com a 1ª Guerra Mundial, as indústrias de aço deixaram de ter o foco na peça, para produzir armas e suplementos para o combate. O espartilho foi substituído por lingeries de materiais mais baratos, como sutiãs comuns e corselettes, e a nova posição da mulher no pós-guerra ajudou o corset a cair em declínio. Nos anos 1920 a silhueta Vitoriana já não existia mais e a cintura era apenas demarcada por cintas elásticas.

Apesar da peça cair em desuso, na função básica diária, ela tem sido resgatada por grandes estilistas de moda desde os anos 1980, se tornando parte não apenas das passarelas, mas como influência para novos acessórios e lingeries. O corset também se faz presente em matéria de fetiches e movimentos de rua, como o gótico e, claro, o Steampunk.

Atualmente, a idéia do Tightlacing também tem voltado às mulheres contemporâneas. A prática foi criada em 1840 e nada mais é que o uso constante de corsets estruturados como antigamente, para o afinamento da cintura. Algumas lojas especializadas confeccionam os espartilhos ideais para o tight-lacing. O recomendado é o feito sob medida, com 10cm a menos que sua cintura original, feito em tela ou qualquer outro material que permita a pele respirar e que permita a movimentação sem desconfortos, por isso o mais adequado é o underbust (sob o busto) ou o que fica apenas ao redor da cintura, tudo sob a roupa, como uma lingerie.

Porém, o tightlacing requer cuidados. Desde as épocas mais remotas do corset, especialmente na Era Vitoriana, os médicos já ficavam de cabelo em pé sobre o uso demasiado de espartilhos. Isso porque o corset, quando começa a moldar a estrutura do corpo, afeta a estrutura óssea e a posição dos órgãos, causando uma porção de problemas se não usados com cautela, como desmaios, respiração arfada e outros inconvenientes por conta do deslocamento do fígado e a redução do estômago. Além disso, se muito fina, a cintura pode comprometer a coluna.

A prática do Tightlacing deve ser feita com bom senso, por uma pessoa saudável (diabéticos, pessoas com problemas respiratórios e de coluna estão dispensados) com materiais de boa qualidade e um bom acompanhamento, depois de uma longa pesquisa.

Quer dizer então que eu posso usar o meu corset do Mercado Livre para fazer tightlacing?

De jeito nenhum, por um motivo bem simples. Com a popularização do corset, especialmente no setor de lingeries sensuais, toda uma indústria de “corsets falsos” foi criada. No Brasil, essas peças são comumente chamadas de Corseletes e isso se dá porque elas não apresentam a estrutura de um corset “de verdade”. Os espartilhos ideais são feitos de camadas e camadas de tecidos resistentes, reforçados em partes estratégicas e amarrados nas costas, tendo toda uma armação de aço ou de alumínio por dentro. É por isso que marca tão bem a silhueta, arruma a postura e afina a cintura. Todos os corsets reais tem a estrutura para o tightlacing, mas nem todos são os ideais para a prática, por conta do material, formato, etc. Porém, nenhum Corselete realmente estrutura o corpo humano, eles tem apenas a aparência bonita e são infinitamente mais baratos. Os tecidos usados são, na maioria das vezes, em uma camada só, dando apenas o visual de corset, mas não factualmente enfatizando as curvas ou afinando a cintura, tendo quase sempre barbatanas feitas de plástico.

E quais são os modelos mais comuns existentes hoje em dia?

Underbust: São corsets que começam logo abaixo da linha do busto. Podem ser usados tanto por baixo quanto por cima da roupa, dependendo do material.

Overbust: São os que cobrem o peito. Eles vão inteiro, desde o colo até a linha pélvica.

Midbust: São os modelos que cobrem parcialmente o busto, ficando na altura dos mamilos e enfatizando ainda mais o colo.

E existe mesmo corset para homens?

Definitivamente. O corset masculino, assim como o o feminino, serve para ajustar a postura e deixar a coluna ereta. É normalmente visto em coletes fechados ou em underbust, dando um ar ainda mais elegante para todo o figurino.

Seja em mulheres ou homens, no passado ou nos dias atuais, o espartilho é, sem dúvida, uma peça exótica e charmosa, que usa de uma postura austera para uma exímia elegância, que apenas ele e todas as suas estruturas podem proporcionar. Por isso, no Steampunk, deve-se usar e abusar, criando novos acessórios e penduricalhos trazendo ainda mais beleza a toda estética do vapor.

[nggallery id=30]

A autora

Dana Guedes (@dana_aoi) é de São Paulo, é escritora amadora, tem formação em Design Editorial e é entusiasta do gênero e do movimento SteamPunk.

Diligente, Dana Guedes foi uma das primeiras pessoas a contatar o Conselho SteamPunk acerca da iniciativa Literária aoLimiar e a ajudar a conceituar a Rede Social de Editoras, Escritores e Leitores de Literatura Fantástica.

Até o momento (21) pessoas comentaram...

  • shamps -

    maio 9, 2010 at 1:36 am

    ótimo artigo… me surpreendi com o fato de que existe corset para homem, p\ mim foi novidade

  • Fábio -

    maio 9, 2010 at 4:04 am

    adorei o artigo..adoro as roupas femininas, acho que mulher fica muito sexy assim…
    Porem eu acho as roupas masculinas do estilo feias,sem sal ç.ç

  • Lili Angelika -

    maio 9, 2010 at 9:32 pm

    Adorei o artigo,Dana.
    Informações precisas e muito importantes pois faço espartilho estruturados para a prática do laço apertado e sociais.
    parabéns e espero uma visita sua!

  • sr.ventonegro -

    maio 10, 2010 at 8:47 pm

    “Me surpreendi com o fato de que existe corset para homem, p\ mim foi novidade” x2(se bem que ainda prefiro o bom e velho colete ^^)Ótimo artigo srta.

  • Naomi Evown -

    maio 12, 2010 at 12:24 am

    Muito boa a matéria.Eu ja tinha visto umas fotos do corset masculino mas nem todos os homens ficavam realmente elegantes!
    Eu acho uma estética bela,porém todos devemos tomar cuidado.Estou procurando algum lugar em brasília que venda um underbust,ou local próximo,se puderem me informar…

  • Lili Angelika -

    junho 1, 2010 at 4:13 pm

    Saudações,aqui fazemos peças masculinas de corsets masculinos,corte clássico de alfaiataria,calças e coletes de tecidos ingleses com tecidos que vão da chambray a casemira inglesa e o super tropical Wo,pura lã seja bem vindo

  • Icedeb -

    julho 14, 2010 at 11:52 am

    Onde será que eu encontro corsets apenas para modelar o corpo? (para ser usado embaixo da roupa) Existe isso?

  • Naga Riddle -

    julho 15, 2010 at 6:35 pm

    mto bom! Corset são de fato maravilhosos.

    O texto ficou exelente!

    ^^

  • Francielle -

    julho 23, 2010 at 11:53 am

    Onde eu encontro corset para modelar o corpo? (2)
    Preciso saber disso o mais rápido possível.
    Obrigado.

  • tamara ohana -

    julho 24, 2010 at 6:34 pm

    onde posoo compra-los?

  • Bruno Accioly -

    julho 24, 2010 at 8:08 pm

    Uma boa alternativa é procurar os membros da Liga de Artífices SteamPunk no site http://www.fetishefurrys.com.br

    Procure por Maicon ou por Lili Angelika (liliangelikadress@hotmail.com )

  • Daniela Reis -

    julho 27, 2010 at 5:05 pm

    Adorei o artigo, conheço alguns corsetier aqui do brasil mesmo, sendo um do ceara (onde mando fazer os meus) e pelo brasil a fora, se for permitido posso passar alguns sites para vcs.

  • Daniela Reis -

    julho 27, 2010 at 9:18 pm

    Arf, escrevi aqui a lista de corsetmakers e um blog que conheço especializado, mas acho que não foi nada, bom começando tudo de novo…
    Eu encomendo os meus com Marcelo da http://www.ferrercorsets.com.br/ , gosto muito dele, mas para alguns pode ser meio salgadinho, apesar dos preços dele serem quase que intermediarios, mas aqui vai uma lista completa de tdos os corsetmakers bons do Brasil (e com preços bem variaveis): http://tightlacing.blogspot.com/2008/05/lista-de-corsetmakers-brasileiras.html

    No mesmo blog vcs podem encontrar dicas para fazer corsets, tirar duvidas frequentes entre outras, recomendo de coração, sem propagandas. Ah! também há varias comunidades serias no orkut, depois mando a lista para vcs também.

  • Juno Corsets -

    julho 28, 2010 at 12:12 pm

    Excelente artigo! O corset realmente é uma peça muito associada ao steampunk. Já fizemos alguns corsets com essa temática e alguns acessórios. Nós só fazemos corsets sob medida. Parabéns pelo excelente trabalho.

  • Lili Angelika -

    agosto 22, 2010 at 1:00 pm

    Estamos a disposição na loja virtual
    http://www.fetishefurrys.com.br/corsets
    e na loja física que fica em São Paulo na Rua Augusta,2212 loja 24 Galeria Florida Jardins
    tel (11)30830347 das 11:00 as 18:00 hs.
    não precisa marcar hora]nota fiscal e garantia para ajustes,atende damas e cavalheiros.

  • sana -

    agosto 30, 2010 at 12:18 pm

    super bem feita a postagem!
    Mas os comentários viraram disputa comericial.
    Estranho, parecem desesperados.
    Bjs!

  • Lorde_Loki -

    novembro 23, 2010 at 10:47 pm

    Confesso que estou lendo a matéria atrazado (muito), já sabia de tudo isso (exceto o corset masculino) mas não me errependo em ter lido tudo

    muito bem escrito e bem reunido, informativo e completamente arraza com qualquer conotação maçante, bravo srta Guedes ^^

  • LiliAngelika -

    janeiro 30, 2011 at 3:05 pm

    È natural em todos sites steampunk no mundo, os artificies steamers,comentar e colocar seus sites.Observem outros sites.Saudações a todos.

  • LiliAngelika -

    janeiro 30, 2011 at 3:11 pm

    Estamos em plena liberdade, hoje todos podem reeditar e escrever as informações que lhe convierem,desde que com direitos autorais de imagens e textos traduzidos.E nem precisa ser criativo e nem do ramo, basta escolher um tema e usar a net com sua gama de informações reais e ou absurdas para, editar, criar, escrever, pintar,cantar, gravar…etc…sejam bem vindos.

  • Rhavenny -

    julho 29, 2011 at 8:12 pm

    Eu já sabia que os corsets matavam, mas é sempre bom saber mais.
    Estou adorando saber mais sobre o SteamPunk, quanto mais eu leio mais eu me apaixono pelo genero

  • Daniela Nogueira -

    agosto 16, 2011 at 8:00 pm

    Faço minhas as palavras da Rhavenny sobre o Steampunk.

    Estou fascinada pelo visual e criatividade desse gênero literário!

    Já estou antenada no site e nas redes sociais do Steampunk!

    Bjs!

Deixe seu comentário


Mapa do Site